Informação sobre pneumonia, causas, sintomas e tratamento da pneumonia hospitalar e adquirida na comunidade, com dicas para a sua cura.


Diagnóstico da pneumonia

O diagnóstico da pneumonia é eminentemente clínico e radiológico, feito com base nos dados apresentados de sintomas e sinais, associados a uma radiografia de tórax com consolidação (os radiologistas não acham correto o termo condensação). A evolução do quadro é um outro elemento usado para confirmar ou afastar esta possibilidade. Dificilmente, na prática diária, há confirmação etiológica do agente envolvido.
A rigor, o diagnóstico de pneumonia exige uma comprovação radiológica, no sentido de diferenciálo de outros quadros infecciosos do trato respiratório inferior e superior, tais como bronquites agudas e rinossinusites agudas, nos quais os sintomas podem ser semelhantes mas a radiografia de tórax é normal. Estes últimos casos apresentam um menor potencial de gravidade do que aquele associado às pneumonias. A radiografia, no caso de positiva, define ainda a extensão do processo, que se correlaciona com a gravidade do quadro. Uma radiografia de tórax alterada pode ainda:
a) sugerir outras possibilidades, como a tuberculose;
b) identificar condições associadas como tumorações ou alargamentos hilares ou mediastinais, que por obstrução ou compressão brônquica podem levar à infecção pulmonar;
c) verificar a ocorrência de complicações como derrame pleural.

Quais os fatores de risco para pneumonia?

Qualquer pessoa pode ter pneumonia, mas algumas pessoas estão em maior risco do que outras.
Fatores de risco (que aumenta suas chances de obter pneumonia) incluem:
- O tabagismo;
- Recentes infecções virais respiratórias, laringite, gripe, etc.;
- Dificuldade de deglutição (devido a acidente vascular cerebral, demência, doença de Parkinson, ou outras condições neurológicas);
- Doença pulmonar crónica, como DPOC, bronquiectasia ou fibrose cística;
- Paralisia cerebral;
- Outras doenças graves, como doença cardíaca, cirrose hepática, diabetes ou
- Trabalhar em unidade de centros de saúde;
- Alterações da consciência (perda da função cerebral devido a demência, acidente vascular cerebral, ou outras condições neurológicas);
- Cirurgia ou trauma recente;
- Ter um sistema imunológico enfraquecido devido a doença, certos medicamentos, e doenças auto-imunes.


ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL